Geração espontânea

Geração espontânea

Carlos de Brito lmbassahy

Um dos assuntos mais polêmicos, sem dúvida, a respeito do aparecimento da vida em nosso planeta refere-se à forma pela qual a biota possa ter surgido.

Várias são as hipóteses, inclusive a de se admitir que algum bólido tenha conseguido romper a atmosfera sem se incandescer ou, quando muito, permitir que a vida biológica nele existente pudesse chegar até sua superfície, tendo mergulhado n’água onde pode se reproduzir.

Hipótese fantástica, sem dúvida, e deveras ilusória, contudo , admissível, em última análise.

Há, ainda, a esperança de que vidas sob forma de espórulos, que pairam sobre nossa atmosfera possam ter-se nela penetrado e, gradativamente, irem-se deixando atrair por sua gravidade até chegar lentamente ao solo.

Todas as hipóteses aventadas afastam qualquer condição de se admitir a geração espontânea.

Todavia, o cientista Murray Gell Mann, que descobriu o quark, ao realizar diversos experimentos no acelerador de partículas da Stanford University (EUA) onde trabalha, conseguiu equacionar o choque entre uma partícula material, o elétron e sua anti-matéria correspondente, o pósitron.

Em princípio, a hipótese era a de que, ao se colidirem, por tratarem-se de partículas correspondentes, uma neutralizaria a outra e ambas se tornariam na energia fundamental de que se compuseram.

Só que não foi isso o que ocorreu- as duas continuaram ativas e, equacionando o fenômeno, o grande físico norte americano, chegou à conclusão de que elas deveriam ser comandadas por um agente externo ao universo ao qual denominou de agente estruturador (frameworker).

Isto corroborava a hipótese de Werner Heisenberg que, ao anunciar o seu famoso Princípio da Incerteza garantiu que as partículas que se desviavam da sua trajetória tinham vontade própria, como ovelhas desgarradas. Palavras que definiam algo estranho nas mesmas. Elas não obedeciam, como as demais, ao comando do impulso para atingirem a um alvo pré-determinado.

Com a teoria dos agentes estruturadores pode-se admitir, ainda que vagamente, a hipótese de que também haviam agentes biológicos capazes de interagir nas moléculas orgânicas existentes na Terra fazendo- as se transformarem em vidas primitivas, no caso, os plânctons.

Não seria geração espontânea, senão geração sob comando externo.

A hipótese toma corpo com a descoberta do observatório Heck II do Haway que garante que a estrela Alfa Centauro está estruturando um sistema planetário sob ação de agentes desconhecidos que atuam na poeira cósmica do seu entorno, condensando-a sob forma de planetas solares.

Serão esses agentes as formas espirituais que a própria Religião ignora? Teriam eles a dimensão de se estender, além da vida humana, até as partículas elementares de matéria?

O grande problema é conciliar as hipóteses religiosas com as descobertas científicas.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: